Racismo. Humanidade, desumanidade. Poder, possibilidades. Chatice. Todas as circunstâncias que envolvem o racismo e a frescura generalizada na análise das pessoas, do comportamento e de tudo o que envolve as diferenças entre raças. Entre as pessoas, logo me corrijo. Tudo isso, com a participação especial de Sir Paul McCartney para a Filosofia Quântica! É, meu amigo, este texto é a parte escrita da minha live de quarta-feira. E vamos à crônica.

Blackbird singing in the dead of night,
take these broken wings and learn to fly
All your life,
you were only waiting
for this moment to arise

Pássaro negro, cantando no mais escuro da noite, tome suas asas quebradas e aprenda a a voar. Durante toda a sua vida, você tem esperado por esse momento para levantar voo.

Que momento é esse, que o nosso querido “beatle” menciona acima? O momento em que coletamos o nosso sofrimento e, mesmo sem luz, começamos a pegar o que temos, de sonhos, desejos, e começamos a fazer o que dá. E, milagre dos milagres, seu sonho começa, torto, meio sem jeito, mas fincado nas possibilidades e potências, a tomar corpo, a se transformar em realidade.

Falando algo tão profundo quanto isso, alguém até aqui percebeu que a ave era negra? Pois ela é. E qualquer ser humano que se comparar com este exemplo… pode ser negro, inclusive. E o que isso quer dizer? Raios, que todo ser humano, não importa de que raça for, tem que lutar para encontrar a sua zona de genialidade.

Ah, mas acontece que historicamente, as pessoas de cor negra foram escravizadas, acontece que tem muito branquelo frustrado, que morre de medo das dores nas asas e acaba por procurar um fator externo para direcionar seu medo da vida. E encontra na diferença entre as pessoas, um direcionamento que justifique um medo injustificável.

E, mundo pior entre os piores dos mundos, muitos negões e negonas potencialmente geniais acabam dando ouvidos, a esses medrosos  pois, convenhamos, medo, eu tenho, você tem, todo mundo tem. E o medo de aceitação transforma medrosos branquelos em carrascos, e coloridos de qualquer outra forma diferente em vítimas. Unidas pelo medo. Porque quiseram, diga-se.

Blackbird singing in the dead of night,
take these sunken eyes and learn to see
All your life,
you were only waiting for this moment to be free
Black-bird fly
Black-bird fly,
into the light of a dark black night
Black-bird fly
Black-bird fly, into the light of a dark black night

O que eu digo disso tudo? Ave negra, voa. Pois a noite escura do auto-conhecimento só depende do seu próprio reconhecimento para voar.  E o racismo só tem poder se você deixar!

 

Anúncios