Existem pessoas que merecem ser espinafradas, mas não são. Existem pessoas que são espinafradas mas não merecem.  Ok. Só que te digo uma coisa: qualquer pessoa que te manda a merda já tem uma peculiaridade. Ele já está lá para te dizer onde fica. O máximo que pode fazer de fato é te convidar para vir junto!

Como filósofo quântico, aprendi a analisar as pessoas com poucas informações. A Míriam, ao 19 anos, ou seja na idade da tentativa e erro chamada adolescência, foi presa e torturada por ser do partido comunista. Teve logo cedo que defender uma ideia que nem sabia se era tão verdade. Foi, grávida, presa e torturada. Karai, véi.

Cara, este post tá ficando tenso. Mas beleza. Aconteceu algo pior com a Miriam: ela viu aquelas pessoas que acreditavam serem bacanas chegarem ao poder e viu o impacto disto na economia.

Acontece que coisas ruins não são ruins, são pouco boas e nos fazem mais espertos quando partimos para tentativa e erro. Mesmo para quem acha que tudo é bom x mau vai entender o que ela aprendeu na cela: a resistir, insistir. E pode parecer bizarro: ser torturada grávida tem também outro benefício, literalmente, dentro de si: um motivo ou significado a mais para seguir em frente… junto! Com alguém junto de si, no caso, seu filho. Vai ser torturado, ou passar por qualquer trauma sozinho, para ver se isso não faz diferença!

Antes de terminar este post, e ele tem que terminar por mais que este assunto tenha troçentas análises interessantes, tenho que dizer uma coisa. Ou algumas coisas que uma anamnese quântica pode indicar. Seguem:

  1. Miriam devia ter um pai sufocante. E uma maturidade precoce em contraposição a ele.
  2. Ter um filho, na prática, tira a pessoa do sufoco através de uma mudança. Mesmo que casar jovem fosse muito mais frequente, há vários anos atrás.
  3. Em qualquer situação, para ter um filho, você deve querer ser o protagonista da sua história a trazer alguém junto, na prática, mesmo quando a criança não é planejada; (quando você “atrai” uma situação, na realidade, os acontecimentos inesperados são como que uma leitura do seu inconsciente!)
  4. Miriam não achou que ser torturada foi equilibrado com os seus atos, e guardou isso para si. Não precisou da opinião de ninguém para formar a sua opinião, e isso a proporcionou algo chamado auto-reconhecimento, ou reconhecimento de que sua visão do mundo se estabelece pela sua conexão com a realidade, e não com o que os outros pensam.
  5. Este auto-reconhecimento e percepção do mundo a fizeram criticar os partidos e ações de esquerda por causa dos fatos adversos.
  6. Difícil não admirar uma pessoa que passou por isso tudo. Mesmo não concordando com tudo o que ela pensa, se coloca, ou faz!

É… Pois é. Também não é fácil falar de Miriam Leitão sem ser acusado de fazer merchandising (gratuito, infelizmente) da coxinha de mortadela do Ragazzo. Ou seja, explicar que existe outro ser humano, fora este filósofo quântico, que acredite que política e economia não se resumem a um lado direito ou esquerdo, um esquizofrenicamente tentando superar o outro. E que anuncie isso em voz alta!

 

Foto: Elza Fiuza/ABr

 

Anúncios